Monthly Archives: fevereiro 2011

Implantes Dentários

Os novos implantes dentários

Nem sempre é possível permanecer a vida inteira com os dentes originais. Na falta deles, existem os implantes, que dispõem de tecnologias e materiais cada vez mais modernos e conseguem devolver o sorriso a muita gente.

Modelos transparentes de implantes dentários

Os implantes dentários foram um dos destaques do Congresso Internacional do Centenário da Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas (CIOSP 2011), realizado no início de fevereiro em São Paulo. Enquanto centros de pesquisa buscam aperfeiçoá-los e estender sua indicação, cada vez mais brasileiros ostentam em sua boca as peças que reconstroem a dentição perdida. Mais versáteis, elas ocupam arcadas inteiras ou substituem unidades extraviadas — e olha que não é preciso ter tanta idade para recorrer a uma delas. “A implantodontia passa por um grande desenvolvimento, o que se reflete na melhoria dos tratamentos e do resultado estético”, avalia o coordenador científico do congresso. Nada melhor, então, do que conhecer as tendências nesse campo.
1. A VEZ DA ZIRCÔNIA
Quando se fala em implante, o nome de uma matéria-prima vem à cabeça do dentista: titânio. Consagrado nos quesitos eficácia e segurança, o metal tem uma história de quase 40 anos na odontologia. Uma alternativa, porém, emergiu recentemente: a zircônia. Os primeiros implantes à base desse material cerâmico desembarcaram no país nos últimos meses com a promessa de algumas vantagens. “Por ser isento de metal, ele anula os riscos de alergia e toxicidade”, segundo a Z-Systems, companhia suíça que desenvolve o produto. “E, como a zircônia é branca, não há a possibilidade de o dente ficar acinzentado, como não raro acontece com o titânio.” A zircônia teria, ainda, a capacidade de facilitar a recuperação da gengiva após o procedimento. E, como seu implante é dotado de uma única peça — os de titânio contam com o parafuso e, sobre ele, um pilar que faz a junção com o dente artificial —, seria menor o risco de a prótese ficar instável.
Apesar de tantos ganhos, sobretudo estéticos, alguns especialistas não creem que a zircônia desbancará o titânio tão cedo. “Sabemos que ela se mostra excelente na função de pilar para o dente, mas precisamos de mais estudos para validá-la como implante”, pondera o dentista Carlos Eduardo Francischone, professor da Universidade de São Paulo, em Bauru, no interior do estado.
2. SUPORTE GARANTIDO
Quando um dente abandona a boca, sua morada também é condenada a desaparecer — é que a cavidade onde ele ficava abrigado, o alvéolo dentário, perde a utilidade e acaba se extinguindo. Muitas vezes, além dessa perda, o tecido ósseo que sustenta a dentição se torna mais espesso, e esse cenário pode dificultar a instalação e o sucesso do implante. Para contrapor essa falta de chão, os profissionais apostam nos biomateriais, obtidos de elementos sintéticos ou naturais, como o osso bovino. “Eles funcionam como um suporte para a formação da massa óssea, visando à reconstrução do arcabouço que sustenta o dente”. É claro que, se a perda de osso for considerável, ainda não adianta apelar para os biomateriais — só o enxerto ósseo propriamente dito resolve o problema. Mas a tendência é que seu campo de atuação se estenda. “Nos Estados Unidos, a promessa é um material com proteínas capazes de estimular o crescimento ósseo e que poderia ser usado como alternativa ao enxerto”, conta o diretor do Instituto Nacional de Experimentos e Pesquisas Odontológicas, em São Paulo.
3. OS IMPLANTES CURTOS
Muitas pessoas que esperam pela reconstrução do sorriso deparam com uma pedra no caminho: a necessidade de se submeter a um enxerto ósseo. A falta dos dentes de verdade por anos a fio, o uso de dentaduras, acidentes ou, simplesmente, o avançar da idade contribuem com a perda de osso na mandíbula ou na maxila. Sem solo suficiente para fixar um implante direito, a saída é retirar um pedaço de osso da bacia, por exemplo, e introduzi-lo na boca — uma cirurgia que demanda de seis a nove meses de reabilitação. Mas alguns casos podem escapar desse inconveniente graças a uma tecnologia que se aperfeiçoou nos últimos anos: os implantes curtos. “Eles reduzem o custo e a agressividade do procedimento”, compara o dentista Alexandre Turci, de São Paulo, que abordou o tema em palestra no congresso. “Sem o enxerto, a recuperação se torna mais rápida”, completa Lenharo. Como o nome já entrega, esses implantes são mais baixos, porém robustos. “Seu desenho faz aumentar em 30% a área de contato do implante com o osso”, calcula Alexandre. Se um parafuso convencional (e comprido) fica instável diante de uma superfície óssea comprometida, a versão curta se prende melhor sem cobrar um preço tão alto para o dono da boca.
TAMANHO NÃO É DOCUMENTO
Entenda as diferenças entre o procedimento que exige enxerto ósseo e a alternativa que se vale dos implantes curtos
1. Antes de fazer um implante dentário:
Pessoas com pouco tecido ósseo na mandíbula ou na maxila precisam se submeter a uma cirurgia que transpõe um bloco de osso da bacia, por exemplo, para o canto da boca onde ficarão os implantes. Entre seis e nove meses depois, a região restaurada está pronta para receber o parafuso do implante e, transcorridos mais três meses, o dente artificial é colocado.
1 ANO – É o tempo necessário para a instalação do enxerto, do implante e do dente artificial
2. Com implantes curtos
Essa técnica pode eliminar a necessidade de recorrer ao enxerto. Os parafusos, menores e robustos, são instalados a exemplo dos tradicionais. Só que eles aumentam o contato da peça com o osso ocupado. Para preencher espaços que ficariam vagos, são feitos alguns ajustes, como dispor de coroas dentárias maiores.
3 MESES – É quanto seria preciso esperar para o implante curto receber a coroa dentária.
UM MILHÃO DE SORRISOS
O implante é uma espécie de parafuso incrustado no osso da mandíbula ou da maxila para fazer as vezes de raiz — em cima dele é acoplada uma peça, o pilar protético, que recebe o dente artificial. Essa solução se populariza no Brasil. “A estimativa é que em 2003 tenham sido colocados 300 mil implantes, e esse número subiu, em 2010, para mais de 1 milhão e meio”. Alguns fatores, como o desenvolvimento de materiais nacionais, justificam essa expansão. “Os implantes se tornaram mais acessíveis e aumentou o número de especialistas aptos a instalá-los”.
DENTADURA APOSENTADA?
É inevitável que, com a popularização dos implantes, surja a pergunta, elas sempre terão espaço. “Os implantes vieram para ficar, mas não resolvem tudo”, afirma. “E muita gente vive bem usando próteses removíveis.” Embora os preços dos implantes tenham caído nos últimos anos, as dentaduras ainda saem bem mais barato. E quem faz uso delas há anos e quer trocá-las por implantes pode precisar de um enxerto, o que eleva as cifras do tratamento.
OS IMPLANTES NA HISTÓRIA
COMO TUDO COMEÇOU?
Nas décadas de 1950 e 1960, o ortopedista sueco Per-Ingvar Brånemark descobre, por meio de experiências com animais, que o titânio se integra ao osso — o princípio básico para um implante funcionar.
PROGRESSO SORRIDENTE
Nas três décadas seguintes, os implantes se tornam realidade — Brånemark viaja pelo globo difundindo suas técnicas e se instala no Brasil — e passam por aperfeiçoamentos, tanto no campo das matérias-primas como no das cirurgias.
DENTES NOVOS EM MENOS TEMPO
Em meados dos anos 2000, surge uma nova técnica, a da carga imediata. Antes dela, após a introdução do implante, era preciso esperar de três a seis meses para colocar a coroa definitiva. Com a novidade, o dente é fixado em um prazo de até dez dias.
ADEUS AOS CORTES
A tomografia computadorizada é recrutada pela implantodontia. O dentista se guia pelas imagens de um monitor para introduzir o parafuso do implante dentário. Mais conforto e rapidez durante e após o procedimento.

Fonte: CROSP

Implantes Dentários

Dor de cabeça e a falta de dentes

A perda de um só dente pode provocar uma alteração na articulação da mandíbula e acarretar a cefaléia, entre outros problemas

A falta dos dentes e a mordida desalinhada ou cruzada, chamada pelos especialistas de maloclusão, são fatores de risco para a

Falta de dentes pode provocar dor de dentes!

ATM (Articulação Têmporo-Mandibular). Essa articulação é responsável por todas as funções responsáveis pela abertura da boca, e abrange ligamentos, músculos da mastigação, ossos do maxilar e da mandíbula, dentes e outras estruturas.

Todos estes itens formam um conjunto que se não funcionar adequadamente, podem ocorrer sensação de pressão na região dos ouvidos ou queixo, dores de cabeça, dificuldade em abrir a boca ou ao mastigar alimentos, cansaço na face ao acordar e estalos ao abrir a boca.

Além do problema dentário, outros hábitos comuns estão relacionados à disfunção, como apertar os dentes ou rangê-los (bruxismo), morder objetos, roer unhas, ficar com postura incorreta da cabeça a posicionando para frente. A perda de um só dente também pode provocar uma alteração nas articulações da mandíbula. Nesses casos, é fundamental que haja a reposição dentária: uma boa alternativa são os implantes dentários, para que a mordida seja feita de forma correta, sem prejuízo da articulação.

“Os implantes dentários são próteses fixas e funcionam de forma semelhante aos dentes naturais, proporcionando uma boa mastigação, aparência saudável e fácil higienização. O implante dentario é realizado na gengiva por meio de pinos de titânio, distribuídos no osso maxilar ou mandibular, no lugar das raízes dos dentes perdidos. Não tem contra indicação e pode ser colocado até mesmo em pacientes cardíacos ou diabéticos. Obviamente, para todos os casos, sempre após uma cuidadosa avaliação individual”, explica o cirurgião-dentista da Simplan Implante Dentário.

Por causa da variedade dos sintomas existentes da ATM, o diagnóstico preciso, às vezes, é difícil. De qualquer modo, há alguns sintomas clássicos que envolvem a mandíbula, ouvidos, cabeça, face e dentes. Os principais são: dor nas articulações, cefaléia, ruídos nas articulações como estalidos ou rangidos, dificuldade de abrir totalmente a boca por conta de contraturas musculares e calcificações articulares, dificuldade de mastigar, dor de ouvido, desgaste dos dentes, zumbidos, entre outros indícios.

Fonte:  Fundamento Comunicação Empresarial, dor de cabeça

Implantes Dentários

Implantes dentários curtos são alternativa à enxertos ósseos

Nacionais ou importados, esses dispositivos são usados principalmente em pessoas com perdas ósseas, causadas por falta prolongada de dente, uso de próteses removíveis, doenças periodontais entre outros motivos. O tema foi debatido  no Congresso Internacional do Centenário da APCD, que aconteceu no Expo Center Norte em São Paulo.

Implante dentário curto

Há dez anos, os enxertos ósseos eram a opção mais usada pelos cirurgiões-dentistas para colocar um implante dentário em pessoas, cujos ossos dos maxilares não apresentavam pelo menos 10 milímetros de altura. O paciente tinha um pedaço de osso retirado da boca, do crânio ou da bacia, que era enxertado para aumentar a altura do maxilar. Às vezes, a matéria prima vinha de bancos de ossos. Nos últimos anos, os implantes curtos (adaptáveis a ossos com altura mínima de 6 mm) estão se disseminando no País, em razão de estudos clínicos e científicos que comprovam a segurança e eficiências desses dispositivos.

Na conferência “Implantes curtos: soluções simples para cirurgias complexas com segurança e previsibilidade”, o cirurgião-dentista Alexandre Turci, especialista em Implantologia e pós-graduado em Boston, nos Estados Unidos, falou sobre esses dispositivos hoje (30), no Congresso Internacional de Odontologia do Centenário, promovido pela APCD – Associação Paulista dos Cirurgiões-Dentistas, no Expo Center Norte.

Implantes curtos

Perdas ósseas são sempre um desafio para o cirurgião-dentista especializado em implantes. Elas podem ser provocadas por vários fatores: ausência prolongada de dente, uso de prótese removível (dentadura ou ponte), doenças periodontais (por exemplo, a periodontite, que é a infecção do osso que sustenta o dente) envelhecimento e traumas provocados por acidentes, atos violentos, etc.

No Exterior, os implantes curtos – com menos de 8 mm de comprimento – são usados há mais de 10 anos. No Brasil, eles eram vistos com certas ressalvas, porque se acreditava que eles estavam mais sujeitos a rejeição. Os estudos clínicos realizados nos últimos anos com centenas de pacientes colocaram fim a esse questionamento e os implantes curtos passaram a ser usados para agilizar o processo do implante em pessoas com perdas ósseas.

“Os enxertos retardam o implante. Após realizar o enxerto, o cirurgião-dentista tem de esperar de seis a nove meses para colocar o implante. Passado este prazo, é preciso aguardar entre três a seis meses para se colocar a prótese”.

No Brasil, os profissionais contam com modelos nacionais e importados, que usam diferentes tecnologias. Entre os importadas estão os fabricadas pelas indústrias Bicon (Estados Unidos) e Straumann (Suíça). Alexandre Turci explica que o implante da Bicon possui uma estrutura que, em lugar das espiras (roscas) do parafuso do implantes tradicional, é dotada de platôs (barbatanas). Esses platôs propiciam maior contato com o osso, agindo de forma semelhante a uma sapata – peça bem larga feita geralmente de concreto, que fica na parte inferior do alicerce (sob o pilar) e suporta o peso de uma construção.

As empresas nacionais também oferecem modelos de implantes curtos, como a Neodent e a SIN – Sistema Nacional de Implantes. Embora trabalhe com diferentes sistemas de implantes, o cirurgião-dentista Ângelo Menuci Neto, mestre em Implantologia pela Universidade do Sagrado Coração (Bauru), destaca o implante WS – Wide and Short – da Neodent, que tem como diferencial o fato de o encaixe da prótese ser feita com um sistema tipo cone morse.
Esse tipo de parafuso – que também é usado nos carros de fórmula 1 – confere mais estabilidade ao implante.
“O tratamento da superfície aprimorado acelera o processo de integração do osso com o implante. As espiras e a ponta auto-roscante são especialmente projetadas para áreas específicas de pouco osso”, afirma.

Outro diferencial deste modelo é a plataforma switching. Esta plataforma do implante é maior que o componente protético (peça intermediária entre o implante e o dente artificial). “Ela melhora a qualidade da gengiva, propiciando melhor vedamento do implante em relação ao osso, o que elimina ou reduz a perda óssea ao redor do implante”, diz.

Fonte: Site Bagarai.com.br

Close